BESTAS MEDIEVAIS

Um barco de rodas, alado,
a voar na fantasia
dentro da noite...

Nuvens da tristeza,
sem a lua,
sem a tua,
sem a minha presença...

Senti arrepio
ouvi o pio
do mocho da meia noite...

Cruzes de madeira,
hora derradeira
pálida, triste,
tive medo...

Embaixo o abismo,
em cima o paraíso,
gargalhadas de cinismo,
ressoa o canto angelical
conflito do bem e do mal...

Voam setas
das béstas medievais,
dos Cavaleiros
da Távola Redonda...

(Tarcisio Costa)

Inicial
Poemas de A-E